Ela foi a 8ª pessoa a passar por mim tentando vender exatamente a mesma coleção de cangas que outras 7 pessoas tinham tentado alguns segundos antes.

“Senhorita! Senhorita! Olha a Canga!”, Ela disse, gritando atrás da minha mesa mais uma vez. Ignorei-a mais uma vez. Ela circulou em torno de mim no caso de eu não estar ouvindo. Obriguei-me a manter-me calma concentrada no meu camarão, como se ela fosse invisível. Ela tentou mais uma vez a chamar a minha atenção exibindo a sua arara cheia de 20, 30, 40 cangas, antes de se virar e seguir.

Quando ela foi embora, eu disse: “Caramba.”

Como eu poderia fazer isso a outro ser humano?

Como pude ser tão apática, tão cruel? Eu sempre lutei ferozmente para convercer qualquer pessoa que não importa quem você é, todos merecem ser reconhecidos. Merecem sentir ao menos por um momento que tem importância também. E nada menos é desumano que a ignorância.

Mas naquele momento, a única coisa que importava era a minha impaciência egoísta. Meu aborrecimento eu estava em Florianópolis tentando desfrutar de uma linda vista da Praia Brava com oito amigas e esses vendedores ambulantes tentavam arruinar. Eu já tinha uma canga (uma não, cada uma de nós tinha no mínimo duas cangas), ainda que as vendedoras de cangas não enxergassem elas estiradas na areia. Elas não enxergavam também seus outros 20 concorrentes vendendo a mesma coisa, ali? Elas não viam o quão tolo era vender exatamente a mesma coisa como essas outras 20 pessoas exatamente da mesma forma? Elas não conseguiam enxergar que estavam arruinando uma ocasião especial? Elas não podiam ver que incomodando pessoas quando elas não querem ser incomodadas é o pior momento para iniciar uma venda?

E foi aí que eu percebi que a mesma coisa acontece em todos os mercados.

 

O cenário de cangas não é muito diferente do que um monte do que está sendo feito hoje. Os 2000 consultores todos dizendo as mesmas coisas, tentando vender seus serviços da mesma maneira, para as mesmas pessoas. O número incontável de fotógrafos ocupados em dizer coisas como: “Memórias registradas duram uma vida,” e “Capture o momento”. As nutricionistas pressionando você a comprar o pacote de emagrecimento. E todas as outras pessoas bem-intencionadas que estão fazendo xixi em um grande mar de mesmice.

Eu fiz meu compromisso, minha missão, de ajudar os empresários a saírem (ou evitarem) o mar de mesmice através do meu trabalho e pelo exemplo.

E uma das ferramentas que uso e indico para empresários é a aplicação dos 4 Filtros.

O ALVO

O primeiro filtro analisa a viabilidade do negócio pelo ALVO. O ponto crucial do ALVO é: Por que fazer igual aos outros se você pode fazer o seu? É muito difícil ser notada numa indústria cheia de outras empresas que oferecem o mesmo (e muitas vezes com muito mais bala para o mercado).

Dificilmente um turista que vai passar o dia em uma praia não leva a sua canga. Mas devem existir outras coisas que as pessoas gostariam de comprar em uma praia. Ou você tem a canga mais incrível, aquela que tem filtro solar, com um design exclusivíssimo ou você deve vender, de fato, aquilo que seus clientes querem comprar. Simples assim (ou não).

Lembre-se: você deve oferecer aos seus clientes algo ultra específico, memorável e diferente.

PROCURADO

Comprar o que deseja faz as pessoas se sentirem melhor, se sentirem realizadas, se sentirem felizes. São momentos de felicidade passageira – logo vão desejar outro objeto e assim por diante. O ideal é que o seu produto (ou serviço) faça as pessoas mais felizes. Provoque o desejo nos consumidores.

Se o que você oferece não faz seu cliente se sentir melhor com ele mesmo, ou feliz por identificar quem eles são, ou as decisões que tomou, você irá falhar.

O que você tem que saber é que, para oferecer ao seu cliente exatamente aquilo que lhe provoca desejo, você tem que conhece-lo. Você tem que saber o que lhe falta. O desejo é da ordem da falta. As pessoas só desejam o que lhe faltam.

CAPAZ DE PAGAR

O terceiro filtro deve responder: O seu cliente é capaz de pagar pelo seu produto? Seu produto pode ser específico o suficiente, ele pode apelar para o que realmente os consumidores desejam e estas pessoas podem realmente querer comprá-lo, mas se eles não podem pagar o que está pedindo, então será um fracasso.

DISPOSTO A PAGAR

Se você constatou que as pessoas são capazes de pagar pelo seu produto, o último filtro vai determinar:

Essas pessoas estão dispostas a pagar?

 

Elabore as suas ideias sobre o que quer ou está vendendo e amorosamente aplique estes quatro filtros, com o melhor de sua capacidade.

Construa algo que vai muito além de uma boa ideia, mas algo que vai fazer as pessoas amarem e ainda vai lhe dar dinheiro.

Agora eu quero saber…

O seu produto (ou ideia) tem um alvo?

Escreva um comentário abaixo e deixe-me saber.

Compartilhe o máximo de detalhes possível, porque a sua história pode dar a alguém exatamente o que ela precisa para viver mais plenamente.

Com amor,

Pat

Adicione um comentário

Pin It on Pinterest

Share This

COMPARTILHE

Compartilhe este post com seus amigos!