Eu costumava ser uma pessoa muito legal.

Eu era o tipo de pessoa que concordava com tudo, com doçura e com entusiasmo, como se eu tivesse uma camada permanente de mel nos meus lábios, mesmo quando eu estava fervendo por dentro.

Eu nunca questionava opiniões de qualquer outra pessoa.

Eu jamais diria um “não” a alguém. E todos continuavam vindo até mim, pedindo, ordenando, até que eu finalmente explodi. E eles passaram a me ouvir através de meus lábios sangrentos.

Eu calmamente observava as pessoas ao meu redor, pensando coisas sobre as suas competências, coisas que eu vou admitir nem sempre eram verdadeiras, mas deixava-os controlar a discussão. Para minimizar a minha validade. Deixava-os cuspir na minha cara com suas palavras.

E então eu comecei um negócio para mim. E vou dizer-lhe uma coisa:

Gerir um negócio força-o a enfrentar todos os demônios que você já enterrou no cemitério do seu coração.

Seus problemas de negócios são muitas vezes os seus problemas pessoais disfarçados, e eu tive que aprender rapidamente que ou eu corrigia o problema, ou eu destruía tudo.

Qual problema que me impedia de alcançar o sucesso (risos… qual o maior)?

Eu pedia desculpas por tudo.

 

Ser uma pessoa agradável significava que eu tinha que dizer “Sinto muito” muitas vezes.

E dizendo “Sinto muito” a cada cinco minutos convida as pessoas a pensar que você é alguém agradável. Não se admire porque eu não era respeitava como uma pessoa simpática.

Por exemplo, eu pedia desculpas por ter que ordenar um trabalho a um funcionário. “Sinto muito por você ter que executar isso!” Ou “Sinto muito por ter que aumentar suas atribuições.”

Então, naturalmente, você pode imaginar a minha surpresa quando eles começaram a ultrapassar as suas fronteiras. Tomando liberdades extras. Alongamento de prazos. Desaparecendo sem aviso prévio. E ficando mal-humorados ou visivelmente irritados quando eu me colocava no meu papel de “chefe” (o pessoal de recursos humanos não gosta dessa expressão, mas eu acho ela mais verdadeira, ponto).

Queremos parecer legais porque queremos que as pessoas saibam que nós somos bons seres humanos, certo? Realmente lamentamos ter que demitir, ou ser exigente demais. Mas, às vezes, estar no negócio por si mesmo exige.

A minha dica favorita para superar o “Sinto muito!” de uma vez por todas é:

Em vez de dizer “Sinto muito”, diga “obrigado”.

 

“Sinto muito por furar com seu fim de semana” transforma-se em:
Muito obrigado por cuidar disso a tempo.”

Sinto muito pela demora!” transforma-se em:
Obrigado por sua paciência

Sinto muito por fazer você trabalhar até tarde” transforma-se em:
Obrigado por trabalhar tão duro neste projeto.”

 

Uma vez que você começa a fazer isso, você mantém automaticamente a cabeça um pouco mais alta, sabendo que você está levando a sério as suas promessas com seus clientes e engajando o seu time, as pessoas que trabalham com você no seu propósito.

E ainda melhor?

Aposto qualquer coisa que, agora que você já leu isso, você vai se pegar dizendo “Sinto muito” muito mais do que você pensou que fazia.

Porque, você sabe,

É possível ser uma boa pessoa e ainda ser um líder confiante.

 

Ao contrário do que eu costumava pensar, não se trata de ser bom – é sobre ser respeitado.

E respeito não tem nada a ver com o quanto de mel você tem em seus lábios.

É sobre as palavras que saem deles.

Agora eu quero saber…

Você tem alguma dificuldade em dizer “não”, ou em dar uma ordem, ou em pedir alguma coisa a alguém?

Escreva um comentário abaixo e deixe-me saber.

Compartilhe o máximo de detalhes possível, porque a sua história pode dar a alguém exatamente o que ela precisa para viver mais plenamente.

Com amor,

Pat

Adicione um comentário

Pin It on Pinterest

Share This